Itaucard – pioneiro em crédito através do Pix

O Banco Itaucard S/A (ITAUCARD) pode ser a primeira grande instituição a explorar os “trilhos” do Pix de forma inovadora. O projeto envolve transações de pagamento com concessão de crédito, rotativo ou parcelado, nos estabelecimentos comerciais, através das funcionalidades do Pix.

O projeto do ITAUCARD, assim como outros seis projetos, foi escolhido para participar do primeiro ciclo do Sandbox Regulatório, lançado pelo Banco Central do Brasil.

O Sandbox Regulatório é um ambiente em que entidades são autorizadas pelo Banco Central do Brasil para testar, por período determinado, projeto inovador na área financeira ou de pagamento, observando um conjunto específico de disposições regulamentares que amparam a realização controlada e delimitada de suas atividades.

Os objetivos são: estimular a inovação e a diversidade de modelos de negócio, estimular a concorrência entre os fornecedores de produtos e serviços financeiros e atender às diversas necessidades dos usuários, no âmbito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) e do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB), assegurando a higidez desses sistemas.

A seleção e classificação dos projetos submetidos ao Sandbox do BC é feita pelo Comitê Estratégico de Gestão (CESB).

O Sandbox Regulatório será operacionalizado por meio de ciclos. Esse primeiro terá duração de um ano, podendo ser prorrogado por igual período.

Note que o Sandbox é um período de testes, com prazo para ser encerrado. Não é uma autorização definitiva. Por isso, ao final do ciclo, ou o projeto é autorizado de forma definitiva pelo Banco Central ou será encerrado.

Veja aqui a lista de projetos selecionados para o Ciclo 1

  • Empréstimo com garantia de imóvel, com o pagamento no vencimento e sem amortizações periódicas, conjugado com a contratação de seguros específicos para redução dos riscos pertinentes (HIMOV);
  • Solução tecnológica para a execução de instruções de pagamentos multi-moeda, de uso exclusivo entre instituições autorizadas pelo BC a operar no mercado de câmbio com a finalidade de troca imediata de reservas (JP Morgan);
  • Realização de transações de pagamento com concessão de crédito, rotativo ou parcelado, utilizando funcionalidades do Pix (ITAUCARD);
  • Plataforma para emissão e negociação secundária de CCBs (BOLSA OTC);
  • Desenvolvimento de um mercado secundário de CCBs (INCO);
  • Implementação de uma rede de pontos físicos que ofereça o serviço de aporte de recursos em espécie (MERCADO PAGO);
  • Plataforma capaz de movimentar valores entre duas ou mais contas, mediante a transferência de valores para contas ‘temporárias ou de liquidação’, sob demanda, para a realização de uma operação sob condições previamente firmadas (IUPI);

Os projetos aprovados receberão autorização específica do Banco Central do Brasil e terão o seu desenvolvimento acompanhado pelo Comitê Estratégico de Gestão do Sandbox BC (Cesb).

O Ciclo 1 terá duração de um ano, podendo ser prorrogado por mais um.

A intenção é que, após esse período e, com as orientações do BC, os projetos selecionados que se mostrarem efetivos possam ser implementados de forma permanente por participantes do mercado, contribuindo para a oferta de novos e melhores serviços aos usuários dos Sistemas Financeiro Nacional (SFN) e de Pagamentos Brasileiro (SPB).

Como funciona

Durante o período de testes, as empresas ficam sujeitas a requisitos regulatórios diferenciados e podem receber dos agentes reguladores orientações personalizadas sobre como interpretar e aplicar a regulamentação cabível.

Ao mesmo tempo, os órgãos reguladores irão monitorar a implementação e os resultados dos projetos, sendo capazes de avaliar os riscos associados aos novos produtos e serviços. Caso o BC identifique inadequação no gerenciamento dos riscos associados à execução do projeto pelo participante, o regulador poderá determinar o aperfeiçoamento do projeto e, se o BC detectar que a atividade do participante expõe o SFN ou o SPB a riscos excessivos, a autarquia poderá estabelecer limites para a execução do projeto.

Mastercard entra no negócio de BNPL

BNPL (Buy Now, Pay Later”), cuja tradução é “Compre Agora, Pague Depois” é um produto que está sendo lançado em diversos países, como uma inovação e ameaça aos meios de pagamentos tradicionais, como cartão de crédito. Achou estranha a palavra “inovação”? Pois é, o comércio brasileiro já oferta crédito semelhante há muito tempo. Começamos com a caderneta, evoluímos para o carnê, CDC (Crédito Direto ao Consumidor) e, desde a década de 1990 utilizamos o “Parcelado sem Juros” no cartão de crédito, em substituição ao cheque pré-datado (ou pós-datado).

A Mastercard está entrando no mercado competitivo de empréstimos parcelados, permitindo que bancos e empresas iniciantes aumentem suas próprias ofertas do tipo “compre agora, pague depois”.
Na terça-feira, dia 28/09, a empresa anunciou um novo programa chamado “Mastercard Installments” para os mercados dos EUA, Austrália e Reino Unido, que entrará no ar no primeiro trimestre do próximo ano. O estilo de financiamento, cada vez mais popular, permite que os compradores dividam as compras por meio de pagamentos mensais, muitas vezes sem juros.

A Mastercard não empresta diretamente aos clientes. Sua rede atua como intermediária no processo de pagamento de cartões de crédito e débito. O Mastercard Installments permite aos bancos, credores, fintechs e carteiras digitais a capacidade de oferecer experiências BNPL aos comerciantes com flexibilidade em toda a rede de aceitação.

Os chamados empréstimos BNPL aumentam as vendas em 45% em média e reduzem o “abandono do carrinho” em 35%, de acordo com a Mastercard. Os lojistas brasileiros sabem muito bem como é importante ofertar o “Parcelado sem Juros”. Craig Vosburg, diretor de produtos da Mastercard, disse que os comerciantes veem esse tipo de financiamento como uma forma de impulsionar as vendas. Os clientes, por sua vez, tendem a recorrer a esses financiamentos como uma alternativa mais barata e conveniente ao crédito rotativo tradicional.

A norte americana Square anunciou um acordo de US $ 29 bilhões em agosto para comprar a empresa australiana AfterPay, entrando no setor. A AfterPay é uma das primeiras e mais conhecidas empresas do setor e, recentemente, firmou parceria com a Amazon para uma opção de “compre agora, pague depois” no site de e-commerce.

PayPal, Klarna, Fiserv, Affirm, American Express, Citi e J.P. Morgan Chase estão oferecendo produtos semelhantes. A Apple planeja lançar pagamentos parcelados em parceria com a Goldman Sachs, informou a Bloomberg. A Visa está desenvolvendo um produto semelhante. O CEO do Affirm, Max Levchin, está entre aqueles que argumentaram que o crédito parcelado poderia ser uma ameaça para os players tradicionais de cartões, como Mastercard e Visa, por diminuir o uso do crédito rotativo. Vosburg, no entanto, ressalta que esse tipo de transação levará a um volume “adicional” de vendas com cartão. Muitos dos pagamentos em parcelas tendem a ser uma transação de crédito Mastercard, na qual a empresa cobra uma pequena taxa. “Vemos um predomínio, em nosso programa e em outros, de pessoas que escolhem o débito Mastercard como meio de pagamento das parcelas”, disse Vosburg. “É consistente com nossa missão de oferecer opções aos consumidores em termos de como desejam pagar, e aos comerciantes em termos de como desejam ser pagos.”

Alguns analistas alertaram sobre o risco de crédito adicional e algo chamado “empilhamento de dívidas” – ou o uso de formas tradicionais de crédito para financiar esses pagamentos parcelados. Algumas ofertas de pagamento posterior também não são relatadas às agências de crédito. As empresas que oferecem esses financiamentos dizem que são capazes de usar os dados para avaliar a capacidade de crédito melhor do que um modelo de score tradicional. “Os credores não querem conceder empréstimos/financiamento correndo riscos de inadimplência ​​e não é do nosso interesse ver os credores fazendo isso – então, estamos trabalhando ativamente para melhorar a visibilidade das informações sobre a capacidade dos consumidores de pagar um financiamento”, Disse Vosburg.

“No cerne disso, os pagamentos se resumem à escolha – e as pessoas querem usar o seu potencial de compra com maior flexibilidade e controle”, diz Vosburg. “O Mastercard Installments foi desenvolvido com base em nossos princípios de proteger os consumidores e permitir a escolha do método de pagamento sem sacrificar a confiança e a segurança. É mais uma forma digital de pagamento, permitindo comprar hoje e pagar no futuro, que está sendo construída por meio de relacionamentos de maior confiança entre consumidores, bancos e outros credores, em comerciantes de sua escolha.”

Digital Wallet! Como conquistar o coração do cliente?

No Brasil ainda aguardamos ofertas de “carteiras digitais” que sejam aceitas pelos estabelecimentos comerciais, mas dependemos das iniciativas dos emissores de cartões de pagamentos e das Credenciadoras (Acquirers). Com a concentração bancária (que pode piorar, dependendo do destino do HSBC) e a verticalização das Credenciadoras, será muito difícil termos avanços importantes no curto prazo. Veja o post “O lento progresso…”

A tecnologia esta disponível nos mercados maduros, tanto para os consumidores quanto os lojistas, mas ainda falta o que o David Evans chamou de “ignite”, ou seja, “inflamar”, “pegar fogo”, etc.. Já falamos sobre a teoria micro econômica que explica a industria de pagamentos, a qual se deu o nome de “Two-Sided Market”. É necessário conquistar uma quantidade razoável de consumidores e lojistas dispostos a pagar e receber através de um smartphone.

Apple e Google sabem disso e estão tentando de todas as formas conquistar os consumidores. Essa batalha incluí facilitar ao máximo que o usuário baixe o APP em seu smartphone e, principalmente, ative sua Carteira Eletrônica. Quando você tem uma quantidade significativa de clientes querendo pagar com o celular, lojistas se sentiram muito motivados a adotar essa tecnologia para receber seus pagamentos.

Em seu post  “WHAT MOBILE WALLETS AND SMARTPHONE CAMERAS NOW HAVE IN COMMON”, Karen Webster faz uma análise crítica sobre a tentativa da Apple e Google em oferecer seus APP já pré-carregados em seus smartphones, vis a vis, o comportamento do usuário de APP.

Parece ainda faltar ao consumidor um grande motivo, uma experiência única, uma razão forte para querer muito mudar de hábito e, aí assim, adotar a Carteira Eletrônica (Digital Wallet) em suas experiências de consumo.

O que faria você a mudar de hábito?

Aumento da aliquota de PIS/Pasep e Cofins afeta o Pré-Pagamento de Recebíveis.

Leão

O decreto nº 8.426, publicado em edição extraordinária do Diário Oficial da União na noite de quarta-feira, dia 02/04, elevou a alíquota de PIS/Pasep e da Cofins sobre as receitas financeiras para 0,65% e 4%, respectivamente. Essas alíquotas haviam sido reduzidas a zero em 2004. As novas alíquotas incidirão a partir de 1º de julho de 2015, obedecendo ao período de noventena.

A Receita Federal estima arrecadar em 2015 cerca de R$2,7 bilhões, atingindo cerca de 80 mil empresas. Isto irá afetar o resultado obtido com o pré-pagamento de recebíveis com cartão de crédito e, muito provavelmente, esfrie os ânimos daqueles que querem entrar no negócio de recebíveis como acquirers ou sub-acquirers.

Leia mais: Retomada de alíquotas do PIS/Pasep e Cofins elevam arrecadação em 2015

Reguladores e Mercados: Todos estão certos, mas o resultado nem sempre é o desejado.

No livro “Do Escambo à Inclusão Financeira – a evolução dos meios de pagamento” dedicamos um capítulo inteiro ao tema “Ambiente Regulatório” e mostramos como cada agente regulador pode chegar a diferentes conclusões e decisões.

Esta semana o Parlamento Europeu decidiu impor um teto à taxa de intercâmbio (Interchange Fee) nas transações de pagamento com cartões de crédito e débito. Veja a notícia em: EU Parliament approves interchange fee caps

Bem, para quem não esta familiarizado com o tema, uma parte da taxa de desconto que o lojista paga às Credenciadoras é repassado para a Instituição Financeira (normalmente Bancos) que emitiu o cartão de pagamento envolvido na transação. Essa tarifa tem o nome de Intercâmbio (Interchange Fee). Por sua vez, o Emissor do cartão repassa parte desses valores ao portador do cartão (o consumidor), como forma de incentivo ao seu uso. Por isso você recebe algumas isenções, milhagem e alguns serviços adicionais.

Desde a década de 60, quando MasterCard e Visa nasceram como associações entre bancos, estes passaram a exercer o papel de “Emissores” e “Credenciadoras” (Acquirers) de forma independentes. Surgiu então a necessidade de repassar parte das receitas obtidas pelas Credenciadoras (Taxa de desconto) para o Emissor do cartão de pagamento. A esta tarifa se deu o nome de Intercâmbio (Interchange Fee).

Há décadas se discute se o Intercâmbio é ou não anti-competitivo, afinal, de forma bem simplista, quanto mais se incentiva o consumidor a utilizar o cartão de pagamento, mais se pode cobrar do lojista pela prestação do serviço. Não dá pra discutir os detalhes neste post  (sugiro a leitura do livro 🙂 ), mas há algo que chama a atenção:

Nos sistemas de pagamentos em que o Emissor e o Credenciador são a mesma Instituição Financeira, como por exemplo, American Express e Dinners (exceto Brasil), não existe a figura do Intercâmbio, entretanto, o princípio econômico é o mesmo: Um lado do mercado paga a conta (o Lojista) enquanto o outro lado é incentivado (o portador do cartão).

A decisão da União Européia, em reduzir e limitar a taxa de Intercâmbio, não se aplica às Bandeiras como American Express, Dinners e outras. O resultado pode gerar uma vantagem competitiva para essas bandeiras em detrimento de MasterCard e Visa. Isto ocorreu na Austrália, na década passada (2003 -2006), quando o banco central daquela país passou a regular o Intercâmbio e, depois de  um resultado desfavorável, voltou atrás.

Não critico ou defendo decisões regulatórias como esta, apenas gosto de chamar a atenção para o seguinte fato: Quando não se compreende a teoria micro econômica deste mercado (também chamada de “Two-Sided Market”) o resultado podem ser muito diferente do esperado. “O tiro pode sair pela culatra”

images (1)

Qual é a sua opinião?

Mobile Payment – A disputa entre Apple Pay e Samsung Pay promete ser interessante!

Nada oficial, mas as notícias dão conta de que a Samsung deve lançar seu projeto de mobile payment, em outubro/15, sem cobrar das empresar de cartão de crédito na Coreia. Será que o mesmo pode acontecer nos Estados Unidos?

Bem, são mercados muito diferentes, por exemplo, sabe-se que a Coreia tem um dos maiores índices de utilização de cartões de pagamento, superior a 60% do consumo privado das famílias Coreanas. Cada adulto possui, em média, cinco cartões de pagamentos, entre cartões de crédito e débito. Os Coreanos também adotam novas tecnologias com muita facilidade. Somando-se esses fatos, é possível imaginar o sucesso da Samsung Pay em seu território.

Resta saber como será a batalha no território norte-americano, ou melhor, na casa da Apple.  Veja mais em: Samsung Pay.