Cade arquiva processo sobre associação entre Itaú Unibanco e MasterCard

Após mudanças no objeto do contrato o CADE arquivou a análise que fez no acordo entre Itaú Unibanco e MasterCard. Noticiamos essa aliança em 18 de março de 2015, sob o título: Renascimento da bandeira Credicard?

Veja matéria de Istoé Dinheiro.

“As mudanças no acordo tendem a atenuar a preocupação concorrencial trazida pelo acordo. Ainda assim, o tema competição segue um dos pontos mais sensíveis do mercado de cartões atualmente”, informou o reporter Felipe Marques, no jornal Valor Econômico de hoje.

Digital Wallet! Como conquistar o coração do cliente?

No Brasil ainda aguardamos ofertas de “carteiras digitais” que sejam aceitas pelos estabelecimentos comerciais, mas dependemos das iniciativas dos emissores de cartões de pagamentos e das Credenciadoras (Acquirers). Com a concentração bancária (que pode piorar, dependendo do destino do HSBC) e a verticalização das Credenciadoras, será muito difícil termos avanços importantes no curto prazo. Veja o post “O lento progresso…”

A tecnologia esta disponível nos mercados maduros, tanto para os consumidores quanto os lojistas, mas ainda falta o que o David Evans chamou de “ignite”, ou seja, “inflamar”, “pegar fogo”, etc.. Já falamos sobre a teoria micro econômica que explica a industria de pagamentos, a qual se deu o nome de “Two-Sided Market”. É necessário conquistar uma quantidade razoável de consumidores e lojistas dispostos a pagar e receber através de um smartphone.

Apple e Google sabem disso e estão tentando de todas as formas conquistar os consumidores. Essa batalha incluí facilitar ao máximo que o usuário baixe o APP em seu smartphone e, principalmente, ative sua Carteira Eletrônica. Quando você tem uma quantidade significativa de clientes querendo pagar com o celular, lojistas se sentiram muito motivados a adotar essa tecnologia para receber seus pagamentos.

Em seu post  “WHAT MOBILE WALLETS AND SMARTPHONE CAMERAS NOW HAVE IN COMMON”, Karen Webster faz uma análise crítica sobre a tentativa da Apple e Google em oferecer seus APP já pré-carregados em seus smartphones, vis a vis, o comportamento do usuário de APP.

Parece ainda faltar ao consumidor um grande motivo, uma experiência única, uma razão forte para querer muito mudar de hábito e, aí assim, adotar a Carteira Eletrônica (Digital Wallet) em suas experiências de consumo.

O que faria você a mudar de hábito?

A Elavon Brasil está a venda? Acho que não…

A revista Exame do dia 29/04, na seção Primeiro Lugar, especula que sim:

Primeiro Lugar

Já havia sido noticiado que o Citibank deseja vender sua participação na Elavon Brasil, mas é difícil de acreditar que a Elavon Inc abandonaria o barco agora. Se fosse fazer uma aposta, diria que a Elavon Brasil poderia interessar a outro novo entrante, mas não a Cielo. Além do mais, seria difícil aprovar uma transação dessa no CADE, concorda?

A Elavon é parceira do Santander em diversos mercados, como por exemplo Espanha e México, por isso é fácil imaginar algum movimento neste sentido no Brasil. Entretanto, depois de adquirir a GetNet, não parece haver muito espaço para um acordo.

O que você acha? Divida conosco a sua opinião.

Aumento da aliquota de PIS/Pasep e Cofins afeta o Pré-Pagamento de Recebíveis.

Leão

O decreto nº 8.426, publicado em edição extraordinária do Diário Oficial da União na noite de quarta-feira, dia 02/04, elevou a alíquota de PIS/Pasep e da Cofins sobre as receitas financeiras para 0,65% e 4%, respectivamente. Essas alíquotas haviam sido reduzidas a zero em 2004. As novas alíquotas incidirão a partir de 1º de julho de 2015, obedecendo ao período de noventena.

A Receita Federal estima arrecadar em 2015 cerca de R$2,7 bilhões, atingindo cerca de 80 mil empresas. Isto irá afetar o resultado obtido com o pré-pagamento de recebíveis com cartão de crédito e, muito provavelmente, esfrie os ânimos daqueles que querem entrar no negócio de recebíveis como acquirers ou sub-acquirers.

Leia mais: Retomada de alíquotas do PIS/Pasep e Cofins elevam arrecadação em 2015

Reguladores e Mercados: Todos estão certos, mas o resultado nem sempre é o desejado.

No livro “Do Escambo à Inclusão Financeira – a evolução dos meios de pagamento” dedicamos um capítulo inteiro ao tema “Ambiente Regulatório” e mostramos como cada agente regulador pode chegar a diferentes conclusões e decisões.

Esta semana o Parlamento Europeu decidiu impor um teto à taxa de intercâmbio (Interchange Fee) nas transações de pagamento com cartões de crédito e débito. Veja a notícia em: EU Parliament approves interchange fee caps

Bem, para quem não esta familiarizado com o tema, uma parte da taxa de desconto que o lojista paga às Credenciadoras é repassado para a Instituição Financeira (normalmente Bancos) que emitiu o cartão de pagamento envolvido na transação. Essa tarifa tem o nome de Intercâmbio (Interchange Fee). Por sua vez, o Emissor do cartão repassa parte desses valores ao portador do cartão (o consumidor), como forma de incentivo ao seu uso. Por isso você recebe algumas isenções, milhagem e alguns serviços adicionais.

Desde a década de 60, quando MasterCard e Visa nasceram como associações entre bancos, estes passaram a exercer o papel de “Emissores” e “Credenciadoras” (Acquirers) de forma independentes. Surgiu então a necessidade de repassar parte das receitas obtidas pelas Credenciadoras (Taxa de desconto) para o Emissor do cartão de pagamento. A esta tarifa se deu o nome de Intercâmbio (Interchange Fee).

Há décadas se discute se o Intercâmbio é ou não anti-competitivo, afinal, de forma bem simplista, quanto mais se incentiva o consumidor a utilizar o cartão de pagamento, mais se pode cobrar do lojista pela prestação do serviço. Não dá pra discutir os detalhes neste post  (sugiro a leitura do livro 🙂 ), mas há algo que chama a atenção:

Nos sistemas de pagamentos em que o Emissor e o Credenciador são a mesma Instituição Financeira, como por exemplo, American Express e Dinners (exceto Brasil), não existe a figura do Intercâmbio, entretanto, o princípio econômico é o mesmo: Um lado do mercado paga a conta (o Lojista) enquanto o outro lado é incentivado (o portador do cartão).

A decisão da União Européia, em reduzir e limitar a taxa de Intercâmbio, não se aplica às Bandeiras como American Express, Dinners e outras. O resultado pode gerar uma vantagem competitiva para essas bandeiras em detrimento de MasterCard e Visa. Isto ocorreu na Austrália, na década passada (2003 -2006), quando o banco central daquela país passou a regular o Intercâmbio e, depois de  um resultado desfavorável, voltou atrás.

Não critico ou defendo decisões regulatórias como esta, apenas gosto de chamar a atenção para o seguinte fato: Quando não se compreende a teoria micro econômica deste mercado (também chamada de “Two-Sided Market”) o resultado podem ser muito diferente do esperado. “O tiro pode sair pela culatra”

images (1)

Qual é a sua opinião?

Check Express entra no setor de Facilitadores (Sub-Acquirer), com a marca Pagshop.

O Grupo Check Express faz sua entrada no setor de “facilitadores” (sub-acquirer), através da marca PagShop e em parceira com a Credenciadora Global Payments. O grupo já vem estudando esse mercado através de um projeto piloto com 400 clientes e, após ajustar cuidadosamente a operação, pretende iniciar a sua expansão neste mês de abril.

Saiba mais em: PagShop

Apple Pay

Vale a pena ler o comentário do Miguel Stein em: Apple Pay beyond the US. Uma análise das possibilidades da  Apple Pay fora do mercado norte-americano. Você pode concordar ou não, mas é interessante entender a visão daqueles que estão do outro lado do Atlântico.