Nossas
Publicações

Mas bah, tchê! Que barbaridade

Cybercrime

Quase todos os dias recebemos informações de um novo “data breach” (violação de dados). Hoje foi o dia de saber que Wonga, uma FinTech Inglesa de empréstimos contra folha de pagamento (Payday Loan), teve seus sistemas invadidos na semana passada, expondo os dados de 270 mil clientes.

De acordo com a Finextra, o porta-voz da empresa disse ao site de notícias TechCrunch que “a Wonga está investigando urgentemente o acesso ilegal e não autorizado aos dados pessoais de alguns de seus clientes no Reino Unido e na Polônia. Estamos trabalhando em estreita colaboração com as autoridades e estamos no processo de informar os clientes afetados. Pedimos sinceras desculpas pelo inconveniente causado”.

São tantos os casos que, para muitos de nós, se trata de rotina. Entretanto, o que ocorreu com um banco brasileiro no dia 22 de outubro de 2016 é assustador. Embora não confirmado oficialmente, tudo indica de que se trata do banco Banrisul.

No dia 4 de abril, o site Wired publicou matéria de Andy Greenberg, sob o título: How Hackers Hijacked a Bank’s Entire Online Operation, descrevendo o ataque detectado pela empresa de segurança digital Kaspersky, cujo caso foi apresentado em seu congresso anual na semana passada.

A matéria de Natalia Viri, no site Brazil Journal, sob o título: “Hackers montam ataque ‘sem precedentes’ a banco brasileiro”, revela os detalhes de como a fraude ocorreu.

O assunto é assustador! Bestuzhev, da Kaspersky, disse à WIRED que “absolutamente todas as operações online do banco ficaram sob o controle dos hackers por cinco a seis horas.” Num ataque assim, do ponto de vista do hacker, “você se torna o banco. Tudo pertence a você.”

Em outra matéria publicada pela Wired em 04/04/2017, Alex Bennett estima que o custo global do crime cibernético (Cybercrime)  chegue a 4,9 trilhões de Libras por ano em 2021(cerca de US$ 6 trilhões) e, informa também que dois terços das grandes empresas do Reino Unido foram alvos de cibercriminosos em 2016.

Sua empresa investe em CyberSecurity? Que competências devemos adquirir para combater fraudes? As do passado não serve mais, concorda? Imagine o que as novas tecnologias podem gerar de oportunidades para os cibercriminosos, como por exemplo, Internet das Coisas (IoT) e carros autônomos (self-drive cars).

Tecnologias com Inteligência Artificial (IA), já estão sendo utilizadas para descobrir  brechas e falhas sistêmicas, numa tentativa de prevenis antes de sofrer um ataque. Entretanto, os criminosos também tem acesso às mesmas tecnologias e as utilizam, as vezes com mais eficiência.